Administrar uma empresa com foco: 5 coisa para NÃO se fazer

Foco. Essa palavra permeia todos e quais quer materiais que abordar como se administrar uma empresa de forma eficiente. Foco no mercado, foco no produto, foco no dinheiro, foco nas vendas.

Foco acaba vindo com sinônimo de “pensar obsessivamente” sobre algo. Dormir pensando nisso. Ler sobre, estudar sobre. Oscar Schmidt, o astro do basquete brasileiro literalmente dormia com a bola, quando era moleque.

Um grande aprendizado que tive em uma fase difícil da minha vida, há uns seis anos, é que eu poderia reverter grande parte de meus problemas acessando meus recursos internos. E precisaria ter FOCO para fazer o que eu deveria fazer. E paciência. Pronto, aí a maionese desanda. Para muitos.

Como ter foco e pensar obsessivamente sobre algo, você encontra em diversos materiais e publicações na internet. Aqui vão as 5 coisas que você NÃO deve fazer se quiser ter foco.

steve-jobs-como-administrar-uma-empresa-com-foco
“A decisão do que não fazer é tão importante quando a decisão do que fazer”

1)- Não Desviar o Pensamento Para Coisas Inúteis Naquele Momento

Ter foco em uma ou duas coisas significa deixar qualquer foco sobre as demais não importantes. Sejam coisas, pessoas, ideias. Se o seu momento de vida e o momento de sua empresa requerem “FOCO”, desvie o pensamento excessivo no que não importa. Aquela viagem que queria fazer, aquela pessoa que queria ter, aquele carro que gostaria tanto de comprar. Pense. Relembre-se destas coisas. E esqueça.

Para mim foi muito importante saber que eu precisaria de um bom tempo, mais ou menos uns dois anos, para chegar onde eu gostaria. Esta era a prioridade. Tudo poderia vir DEPOIS. Não naquele momento. E assim, colocamos as distrações para repousar.

2)- Não Desperdiçar Energia à Toa

Foco requer disciplina, algo cada vez mais difícil de se manter em um mundo com tanta distrações. E disciplina requer rotina, o que para quem administra empresas também é cada vez mais difícil.

Incêndios do dia-a-dia devem ser cuidados na forma e no tempo adequados, não como prioridade. Muitas vezes é apenas fumaça. Como dizia Jack Welch, ex-presidente da GM, “qualquer problema pode esperar uma hora e meia para ser resolvido”.

Na minha experiência, muitas coisas surgiram como “urgentes”, mas que na verdade poderiam esperar. Podiam esperar dois anos, até que eu realizasse o que eu precisava.

3)- Não deixar seu lazer de lado

Foco não é esquecer de que há vida lá fora. Reserve seu tempo para lazeres comuns, que possam te distrair nos momentos de descanso. Passeios, viagens, festas? Pode ser.

Mas uma série legal na TV custa muito menos, não desperdiça sua energia e te “tira do seu mundo” por algumas horinhas. Aposte nisso.

4)- Não deixar sua saúde de lado

Procure por “hábitos das pessoas de sucesso” no Google. Ou “hábitos dos CEOs”. Ou qualquer coisa parecida. Pessoas de sucesso normalmente mantém hábitos de vida variados. O que comem, a que horas preferem as reuniões, quanto tempo se dedicam a ler ou aprender algo novo.

Mas todos – SEM EXCEÇÃO – têm isso em comum: Acordam cedo (em geral 5:30 da manhã) e a primeira coisa que fazer é exercício físico.

Além da manutenção da saúde – a longo prazo – exercício físico te revitaliza, oxigena seu cérebro e suas idéias e te prepara para seu dia. Aposte nisso.

O meu esporte é a natação. Na grande retomada que tive de dar em minha vida, a natação logo de manhã foi de fundamental importância. E a realização de travessias marítimas ajudou como incentivo. Hoje, quatro anos depois, acordo às 5:20 e estou na piscina às 6:50 em ponto. Três vezes por semana.

Faça a atividade física que te agrada mais. Não existe a certa. Não gostar de exercício ou não ter tempo para eles não são opções. 

5)- Não manter coisas e pessoas que não se encaixam mais na sua nova realidade.

Pronto, você decidiu mudar alguns rumos, seja ao administrar sua empresa ou até em como toca sua vida e seus hábitos. Você mudou.

Mas não é porque você mudou, que o mundo também mudou. Provavelmente não. A maioria das pessoas vivem na inércia de suas vidas, um dia após o outro. Mudanças, em geral, são péssimas notícias, pois as tiram de suas zonas de conforto. Se você mudou, receberá muitas críticas de quem não quer e não vai mudar junto.

Afaste estas pessoas. Novas pessoas, mais alinhadas com o que você se tornou, irão se aproximar naturalmente. E rápido.

Coisas também não mudam. Mude elas. Pinte seu quarto. Mude seu escritório, sua sala de estar.

Quando fazemos “limpezas” ou “mudanças” em coisas materiais que nos cercam, acabamos fazendo esta limpeza em nossas próprias mentes.

www.cesarnc.com.br

Compartilhe:

Como Abrir uma Empresa. 5 Coisas que Você Deve Saber

Como abrir uma empresa. 5 Coisas que você deve saber
Ao tomar a decisão de abrir uma empresa, o empreendedor deve estar ciente do caminho que ele deverá seguir para fazer certo e ser bem sucedido.

Cada vez mais, pessoas em todo o Brasil estão empreendendo, buscam por abrir empresa como forma de garantirem seus sustentos sem a dependência de um emprego formal e, também, em busca por uma prosperidade financeira que nunca conseguiriam trabalhando para outras pessoas.

Este é um fenômeno irreversível no Brasil. O brasileiro é empreendedor, é ambicioso e o melhor de tudo: o Brasil está tornando a vida do pequeno empresário muito mais fácil, menos burocrática, embora ainda há muitos avanços a se conseguir nos aspectos tributários, legislação e estabilidade jurídica.

Com a experiência que possuo no auxílio a empreendedores que querem abrir empresa, seja no planejamento, como na implantação, os cinco aspectos a seguir são listados como aqueles que, normalmente, os empreendedores não têm conhecimento prévio. E são aspectos imprescindíveis para a abertura de um novo negócio, seja qual for o tamanho, ramo de atividade e as metas pessoais.

1 – Plano de Negócio

Plano de Negócio
O Plano de Negócio é um estudo estruturado, que coloca sua ideia no papel, antes de você se comprometer com a abertura de uma nova empresa. É o documento mais importante que um novo empreendedor pode ter.

Transformar a sua “ideia” em uma “empresa” colocando logo a mão na massa, sem um planejamento mínimo sequer, é um dos principais erros dos empreendedores no início. A ideia do negócio normalmente é muito abrangente, como “montar uma loja de…” ou “prestar serviço de…” ou “vender algo pelo Facebook/Mercado Livre/WhatsApp”.

Mas para que a ideia se transforma em um negócio é necessário responder uma série de perguntas antes, o que é exatamente o que o Plano de Negócio faz. Algumas delas:

  • Quem será seu cliente-alvo? O que ele já compra? De quem ele já compra? O que ele quer? Onde ele busca?
  • O que seu produto ou serviço entrega? Facilidade? Economia? Beleza, Status, Comodidade. Estes são os benefícios que estão por traz do que você oferece como produto ou serviço. Esta é sua “Oferta de Valor”
  • Como você irá chegar neste cliente-alvo? Quais “canais” estes seus clientes-alvos esperam encontrar seus produtos ou serviços? No Google? Nas Redes Sociais? Em uma loja física?
  • Como você fará o Relacionamento com seus clientes-alvos? Desde a forma como despertará a atenção deles até a venda efetivamente? Qual a linguagem que você deve usar para cativar este público?
  • De que estrutura você vai precisar para entregar estes seus produtos/serviços para estes seus clientes-alvos? Máquinas, escritório/loja, empresa de entrega…
  • Quais os recursos que sua empresa precisará, sejam financeiros, mão-de-obra, tempo, etc.
  • Quais parcerias com outras empresas você poderá / deverá fazer para alavancar suas vendas?
  • Como serão seus recebimentos? Como você fará para que a forma de pagamento seja agradável para seu cliente? Parcelamento? Cartões? Mensalidade?
  • Qual será sua Estrutura de Custos? Quais serão seus custos fixos e variáveis? Quando de dinheiro seu produto / serviço deixará na empresa para pagar as despesas fixas? Qual a margem de lucro?

O estudo e a definição destes aspectos aumentam as chances de sucesso da empresa de forma colossal. Você entrará em um mercado já preparado para lidar com ele e ter sucesso.

Não deixe de fazer seu Plano de Negócio, por mais simples que seja, abordando todos estes tópicos acima.

2- Tipo de empresa x Atividade da empresa

Uma vez definido o que sua empresa irá fazer, temos de definir “como” ela irá fazer. Empresas podem ser MEI (microempreendedor individual) microempresa, pequena empresa – optante pelo Simples Nacional, prestadora de serviços, etc.

Cada tipo tem particularidades legais e o contador é o profissional mais qualificado para te ajudar a decidir este tópico.

MEI

Para abrir uma MEI, o empreendedor não pode ter outra empresa (ou MEI) em seu nome e deve se certificar de que a Atividade que ele irá exercer está na lista de atividades permitidas. Veja quais são neste link do Portal Empreendedor do Governo Federal.

CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas)

A empresa poderá exercer diversas atividades, desde que elas estejam listadas no Contrato Social. São os famosos CNAEs. Todas as atividades empresariais são listadas no CNAE e você poderá ter mais de um deles como atividade da empresa. Um CNAE principal e outros secundários.

Importante é que sua nova empresa só poderá realizar as atividades que estiverem no seu CNAE. Por exemplo, uma loja de varejo de roupas não poderá produzir as próprias roupas, a não ser que tenha um CNAE de “Confecção de Roupas” no Contrato Social também.

Você pode fazer buscas por CNAEs para encontrar os mais adequados para seu negócio no site do IBGE.

3- Viabilidade do Local para abrir a empresa

O passo seguinte, que gera muita frustração para quem vai abrir uma empresa, é a possibilidade (ou viabilidade) do ponto escolhido. Muitas vezes conseguimos boas ofertas de imóvel para abrir a empresa e depois de tudo combinado e contrato de aluguel assinado, recebemos do contador a informação de que não podemos abrir a empresa neste local. O motivo? O ZONEAMENTO do município.

Todas as cidades têm o que chamamos de “zoneamento”, ou seja, um mapa de “uso e ocupação do solo”, seja para residência, edifícios e atividades comerciais e industriais.

Sendo assim, determinadas áreas, bairros, avenidas são liberadas para a abertura de empresas de comércio ou serviço, outras são específicas para fábricas e áreas estritamente residenciais são também bem definidas.

Em determinadas cidades do país, você ou seu contador podem solicitar um Certificado de Uso do Solo diretamente na prefeitura, precisando, para isso, apenas a Capa do IPTU do imóvel, que terá todas as informações necessárias.

Outra possibilidade é fazer uma Consulta de Viabilidade no portal Via Rápida do Governo. Você envia as informações por formulário e terá a resposta em 2 ou 3 dias sobre se você poderá ou não instalar o seu CNAE naquele IMÓVEL.

Consulte no Google qual é o site do Via Rápida para seu Estado. Para o Estado de São Paulo, clique aqui.

4- Participação dos Sócios na Empresa

50% de zero é igual a zero. Portanto quase ninguém dá importância para o estabelecimento de participações dos sócios de forma clara, caso houver mais de um.

Porém 50% de R$ 1 bilhão, são R$ 500 milhões de reais e quem disse que sua empresa não poderá valer isso?

Problemas entre sócios existem. Sempre. Sejam de ordem pessoal, personalidade, comprometimento, etc. Seu relacionamento pessoal com aquele(a) que será seu sócio(a) tem um grande peso nisso.

Porém, muito embora você tenha – hoje – um bom relacionamento com seu futuro sócio, quando o assunto vai para o dinheiro, a possibilidade do relacionamento “desandar” é grande – SE – as questões financeiras não estiverem bem estabelecidas desde o início.

Isso valerá tanto no caso de sua empresa ter muito dinheiro (e todos vão querer o máximo) como no caso de sua empresa não dar certo e ficar devendo (aí, todos vão querer o mínimo).

Tanto no Contrato Social como em um Termo Particular entre os sócios é necessário “colocar tudo no papel”. Quais as porcentagens de cota para cada um.

Se isso depender de quanto os sócios acabarão colocando de dinheiro ao longo do tempo antes da abertura, mantenha um controle rígido dos investimentos de cada um.

Se o sócio A investiu R$ 10.000,00 reais e o sócio B, R$ 5.000,00 reais, então A terá 66,67% da empresa e B terá 33,33%.

É possível combinar também sociedades como:

A – Coloca todo o dinheiro, mas não trabalha e fica com 50% da empresa

B- Faz todo o trabalho, mas não colocará dinheiro e fica com outros 50%.

Esta sociedade se chama Sociedade de Capital-Trabalho. Metade para cada um, pois entende-se que sem o DINHEIRO não haverá a empresa, mas sem o TRABALHO também não.

5- Controle Financeiro Rígido Desde o Início

Fluxo de Caixa Para micro e pequenas empresas
Administrar o Fluxo de Caixa é fundamentar para a Empresa funcionar tranquilamente.

A maior parte das novas empresas começam de forma bem lenta e fácil de administrar. Você terá 2 ou 3 fornecedores, a quem pagará à vista, um ou nenhum funcionário e mais 2 ou 3 contas mensais fixas. Aluguel, água, luz, etc.

Dá pra tocar isso “de cabeça”.

Porém, mais a frente, você já arrisca umas comprinhas maiores parceladas no cartão e precisa de 1 funcionário. Já são mais contas a pagar que você deverá decorar.

Um belo dia você terá 10 fornecedores, com 6 vencimentos cada um (total 60), 5 funcionários com salário, vale de salário, transporte, alimentação. E não terá mais “meia dúzia de clientes”, mas 30 clientes comprando por dia, cada um pagando de uma forma diferente.

Toda esta dinâmica gera o famoso “Fluxo de Caixa”. Dinheiro que entrará e sairá TODOS OS DIAS sem parar na empresa e que deve ser controlado com extrema rigidez e austeridade.

Em breve, mais atualizações aqui no blog com temas relacionados à abertura de empresas, empreendedorismo e gestão de negócios.

Se precisar de mais informações, acesse nosso site em www.cesarnc.com.br

Boa sorte!!!

César NC Consultoria Empresarial em Campinas

Compartilhe: